Sant’Ana

Ana é a esposa de Joaquim. Juntos, eles são pais de Maria Santíssima e avós de Cristo.

A comemoração acontece no dia 26 de julho.

Imagem da Senhora Sant'Ana da Igreja Matriz do Soledade II

Imagem da Senhora Sant’Ana da Igreja Matriz do Soledade II. CRÉDITO: Arquivo PASCOM

História

O nome Ana vem do Hebraico “Hanna”, que significa graça. Sant’Ana era descendente da família do sacerdote Aarão e Joaquim descendente da família do Rei Davi. Ela se casou jovem, conforme mandava a tradição israelita da época.

Segundo registros antigos, São Joaquim era um homem de posses e bem situado na sociedade. Ambos viviam em Jerusalém, ao lado do território da Betesda, onde hoje está construída a Basílica de Santana.

Contudo, um grave problema afetava a relação do casal: Sant’Ana era estéril e não conseguia engravidar. Naquele tempo a esterilidade era sempre atribuída à mulher, e quem não conseguia engravidar era vista pela sociedade como amaldiçoada por Deus. Por isso, Ana sofria humilhações, e São Joaquim era censurado pelos sacerdotes por não ter filhos.

Sant’Ana e São Joaquim, não deixaram se abalar e permaneceram firmes na fé. Num dado momento da vida, Joaquim resolveu retirar-se no deserto para rezar e fazer penitência. Nessa ocasião, um anjo lhe apareceu e disse que as orações do casal tinham sido ouvidas. Ao mesmo tempo o anjo apareceu também a Sant’Ana, confirmando que ela estaria prestes a engravidar. Assim, pouco tempo depois que São Joaquim voltou para casa, Ana engravidou e passou a gerar Maria, a virgem pura concebida sem pecado.

Segundo a tradição cristã, no dia 8 de setembro do ano 20 a. C., Sant’Ana deu à luz uma linda menina à qual o casal colocou o nome de Miriam, que em hebraico, significa “Senhora da Luz”. Na tradução para o latim ficou “Maria”.

Sant’Ana é a padroeira dos avós e também é pedida por auxílio pelas mulheres que não conseguem engravidar. Ana também é conhecida como padroeira da educação, tendo educado Nossa Senhora e influenciado profundamente na educação de Jesus.

FONTE: Cruz Terra Santa

Devoção à Sant’Ana

No ano de 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho. Na década de 1960 o Papa Paulo VI juntou a esta data a comemoração de São Joaquim. Por isso, no dia 26 de julho comemora-se também o dia dos avós.

A devoção à Sant’Ana e São Joaquim é muito antiga no Oriente, sendo cultuada desde o começo do cristianismo. No século VI a devoção a eles já era enraizada entre os fiéis do Oriente. No Ocidente, o culto a Santana remonta ao século VIII.

No Rio Grande do Norte a padroeira é festejada em Natal, Caicó, Sant’Ana do Matos, Currais Novos e São José de Mipibu.

No Conjunto Soledade II, Zona Norte de Natal, a padroeira é celebrada sempre na última quinzena de julho, com missas, novenário e procissão. A Festa de Sant’Ana do Soledade II é uma tradição que completa 25 anos em 2017, quando a Paróquia celebra seu Jubileu de Prata. Muitos devotos de Sant’Ana que viviam no interior e agora moram em Natal, participam dos festejos e vêm pagar promessas todos os anos.

Hino de Sant’Ana

  1. Ó gloriosa Sant’ Ana, Mãe e Mestra de Maria/ dai-nos a vossa ternura, pois sois a luz que nos guia.

REF. : Sant’ Ana, Sant’ Ana, glória e esplendor/ do povo Senhora/ enchei-nos de amor (bis).

  1. Sois a nossa Padroeira e viemos festejar/ a multidão em louvor vem contente te exultar.
  1. A nossa comunidade bem unida em comunhão/ vem renovar a esperança de viver sua missão.
  1. Comunidades distantes vêm trazendo alegria/ pra festejar a Sant’ Ana/ nesta festa, neste dia.

Composição: Reinaldo Rodrigues.

Você pode fazer o download do Hino de Sant’Ana clicando aqui.