Sexta-feira da Paixão e a maior prova de amor que a humanidade já conheceu

Vivemos nesta sexta-feira, 30, a celebração da Sexta-feira Santa, também conhecida popularmente como Sexta-feira da Paixão. Para o que muitos é apenas um feriado, para os católicos é uma data triste que lembra a dor pela qual Jesus Cristo teve de passar para nos conceder a salvação.

É um dia onde deve se prevalecer a oração, o jejum e o silêncio, que compoem todo o momento de reflexão vivido pelos cristãos. É um dia onde devemos deixar de lado nossos prazeres mais simples, para, assim, entrarmos em perfeita sintonia com Deus.

É uma oportunidade para exercitarmos nossa conciência e analisarmos nossa caminhada e missão. Tendo em mente o sofrimento pelo qual Jesus passou para nos libertar, podemos dar valor ao que nos foi entre por Ele, dando graças à sua eterna glória.

A imagem que conhecemos de Cristo na cruz, machucado, sofrido e abandonado é a visão que devemos ter do pecado. Quanto mal o pecado pode fazer em nossas vidas? Jesus deu sua vida para tirar todo o pecado que havia no mundo. E mesmo assim, por tantas vezes ignoramos seu sacrifício para pecar por bel prazer.

Nessa data, o egoísmo é colocado de lado para vivermos um momento por amor. O jejum e a penitência é a nossa prova de amor por Deus. É a prova que temos compaixão pela dor que Jesus passou. É uma forma de nos redimirmos, por menor que seja, perante aquele que deu a vida por cada um de nós.

Foto: Pascom Sant’Ana

Quinta-feira Santa e o legado deixado por Jesus Cristo

Celebramos nesta quinta-feira, 29, a Quinta-feira Santa. Neste dia Jesus, já tendo consciência de que sua vida estava perto do fim, agiu para deixar à humanidade o sinal da sua existência e presença.

Nas celebrações por todo o mundo, nós recordamos a última ceia realizada por Jesus com a Missa da Ceia do Senhor. Assim, vivemos exatamente aquilo que Cristo vivenciou ao, antes de ser entregue, oferecer seu corpo e sangue como o pão e vinho à Deus. O Senhor orientou os Apóstolos para que fizessem o mesmo aos seus sucessores, vindo gerar o rito que é realizado até hoje.

Durante a missa também é realizado o rito do Lava-Pés. Nele relembramos a ocasião na qual Jesus lavou os pés dos seus treze discípulos. Esse gesto mostra a igualdade e humildade de Cristo perante os homens exalta o real valor do serviço realizado com e por amor. Trata-se do amor real com o serviço concreto e não apenas de palavra, como definiu o Papa Francisco durante sua homilia em 2016.

“Também vós deveis lavar os pés uns dos outros”. (Jo 13,12-14)

No dia de hoje os católicos celebram o legado de Jesus. A reflexão das leituras realizadas durante a celebração nos remetem ao verdadeiro sentido da caridade. O ser cristão no pensar e no agir. Por isso celebramos também a instituição do sacramento da Eucaristia, onde nosso “sim” é renovado perante Deus.

A Quinta-feira Santa marca o fim da vida terrena de Cristo e o início de seu reinado nos céus. É o dia em que vivemos na plenitude a herança que Ele deixou para todos nós.

Foto: Pascom Sant’Ana.

Domingo de Ramos como marco de início da Semana Santa

O Domingo de Ramos representa o início da tão esperada Semana Santa, sendo celebrado no último domingo antes da Pácoa. Neste dia, recordamos a chegada de Jesus Cristo em Jerusalém, onde foi recebido com muita alegria e euforia pela população, que, tendo presenciado alguns dos milagres do homem, acreditavam que ele seria o Messias há muito anunciado pelos profetas.

Porém, Jesus não era o Messias tão esperado por aquele povo. Eles aguardavam a chegada de um homem que usaria seu poder para libertar Israel, que sofria constantemente nas mãos de tiranos romanos. Jesus veio sim libertar o povo, mas não do que eles imaginavam e desejavam.

Cristo veio para libertar o povo da raiz de todos os males mundanos: o pecado. Como prova de sua humildade, Jesus chegou na cidade como um homem qualquer. Montado em um jumentinho, o homem vestia roupas e sandálias simples, demonstrando, assim, sua pequenez diante do mundo.

Mesmo assim, o povo recebeu Jesus com grande festa, com gritos de saldação e ramos em suas mãos. Empunhar ramos durante a celebração deste dia se tornou uma tradição, como forma de recordar o momento vivido por Cristo e lembrando, também, que Ele está ao nosso lado nas batalhas que enfrentamos contra o pecado.

A Procissão de Ramos, que também se tornou tradição no mundo inteiro, simboliza nossa passagem neste mundo e serve para nos relembrar de que estamos nesse mundo apenas de passagem. Cristo foi exaltado e aclamado pela mesma população que mais tarde pediu sua execução. Mesmo tendo ciência de toda a dor e humilhação que passaria, Jesus se entregou aos planos de Deus, renunciando a si mesmo.

Assim, Jesus Cristo nos mostra a importância de nos tornarmos pequenos diante do mundo. De colocar como prioridade a vontade daquele que sabe de tudo. Ele é a prova viva daquilo que nós, cristãos, cremos e tanto almejamos: a salvação.

Foto: Reprodução/ Portal defatoonline.com