Galpão do espaço social é concluído

Na última quinta-feira, 18 de agosto, a Paróquia de Sant’Ana concluiu a construção do galpão que fica no Espaço Social de Sant’Ana. Iniciada no primeiro semestre de 2016, a obra foi construída com recursos conseguidos por meio de campanhas, festivais de prêmios e parte do lucro da 24ª Festa de Sant’Ana.

Galpão em fase de finalização. FOTO: Érika Nascimento

Galpão em fase de finalização. FOTO: Érika Nascimento

“Quero agradecer a todos os paroquianos pelo empenho e dedicação na 24ª Festa de Sant’Ana. Mesmo sabendo dos momentos difíceis em que vivemos, nossa comunidade conseguiu superar os obstáculos com fé, carinho e dedicação. Eis aí o fruto da participação de todos nós: a colocação da cobertura e finalização da estrutura”, afirma o Administrador Paroquial de Sant’Ana, Pe. André Martins Melo.

O Galpão João e Celima servirá para encontros, festas e atividades religiosas e sociais da comunidade paroquial. “Desde já quero dizer que o nosso galpão leva o nome de João e Celima, em homenagem ao casal que contribuiu no crescimento da comunidade do Soledade II nos primeiros anos de existência da Paróquia”, indicou o Pe. André Melo.

A inauguração oficial do galpão acontece no início de 2017, dentro das festividades do Jubileu de Prata, mas desde já se encontra disponível para o serviço pastoral e missionário dos grupos e eventos da Igreja, bem como eventos das comunidade. No dia 11 de setembro a Paróquia realiza o I FeijoBingo na nova estrutura do Espaço Social de Sant’Ana.

Galpão João e Celima finalizado. FOTO: Érika Nascimento

Galpão João e Celima finalizado. FOTO: Érika Nascimento

Para mais informações sobre como alugar o Espaço Social de Sant’Ana para eventos, basta entrar em contato com a Secretaria Paroquial através do telefone 3615-2880. O horário de expediente funciona em horário comercial.

O Alicerce (edição extra, 172)

O Alicerce (edição extra, 172) – 24 de julho de 2016

O Alicerce (edição extra, 172) – 24 de julho de 2016

No dia 24 de julho foi distribuído na Matriz de Sant’Ana a edição extra, 172, do informativo paroquial O Alicerce.

Nela trouxemos os seguintes destaques:

  • Paróquia ativa portal na internet;
  • Famílias se prepararam para Festa de Sant’Ana;
  • Paróquia reativa Pastoral da Pessoa Idosa;
  • Projeto Mão Amiga redefine área de atuação;
  • Entrevista – Pe. André Martins Melo sobre a 24ª Festa de Sant’Ana;
  • Parque Floresta está na expectativa da conclusão de seu templo;
  • Movimento Mãos Ensanguentadas de Jesus faz aniversário;
  • Trabalho Pastoral inspira cantor;
  • A RCC cria Ministério Jovem Fonte de Luz.

Clique na imagem para ampliar ou fazer o download do PDF.

Boa leitura.

24ª Festa de Sant’Ana é encerrada com fé e devoção

No último domingo (31), a Paróquia de Sant’Ana Soledade II encerrou os festejos de sua padroeira com missas na Igreja Matriz, pela manhã e tarde, e procissão pelas ruas da área paroquial, num percurso que contemplou duas comunidades da Paróquia. Em 2016 a 24ª Festa de Sant’Ana refletiu a misericórdia de Deus que passa e geração a geração.

Celebrada às 16h, a Missa Solene de encerramento da festa foi presidida pelo Administrador Paroquial de Sant’Ana, Pe. André Martins Melo. Centenas de devotos da Senhora Sant’Ana participaram do momento, tanto na Igreja Matriz quanto na transmissão que acontecia ao vivo pelo Facebook. Por meio de interações virtuais, os devotos mandavam mensagens durante a celebração.

Pe. André Martins Melo e Sant'Ana. CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Pe. André Martins Melo e Sant’Ana.
CRÉDITO: Iago Cavalcanti

O Padre André Melo, enfatizou três pontos em seu sermão: a coragem que o povo de Deus precisa ter para enfrentar as tribulações da vida; a aceitação do público com o novo formato da festa e menos comunidades participantes; e a expectativa da chegada do Jubileu de Prata, com os 25 anos de existência da paróquia em 2017.

“É tempo de alegria e de dizer muito obrigado, muito obrigado de coração. Agradeço a todas as equipes envolvidas em nossa festa, agora, nossa vida continua e não podemos parar… Mas para termos sabedoria para enfrentar as coisas da vida, precisamos de um coração aberto para escutar Deus. Vamos confiar em Deus para que ele derrame profundas graças em nossas vidas assim como ele derramou em Sant’Ana”, exclamou Pe. André Melo.

Senhora Josefa Pedro Dantas segura a imagem de Sant'Ana. CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Senhora Josefa Pedro Dantas segura a imagem de Sant’Ana na área interna de sua casa.
CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Eram 17h30 quando o andor de Sant’Ana deixou a Matriz e foi conduzido pelo Terço dos Homens pelas ruas do Soledade II e do Santarém. Muitos devotos montaram homenagens na frente de suas casas e pagaram promessas no percurso como forma de professar a fé e agradecer por graças alcançadas.

A senhora Josefa Pedro Dantas montou um altar com a imagem de Sant’Ana na área interna de sua casa. Na passagem da procissão ela veio até o portão e disse que é muito devota da santa. “Eu amo Sant’Ana de coração, faz muitos anos que sou devota. Comecei a ir para a procissão dela em Caicó, quando eu tinha 25 anos; hoje estou com 73 e acompanho da porta de casa. Sinto uma emoção muito grande”, conta segurando a imagem da padroeira.

Senhora Fátima Chagas acena com o lenço na procissão. CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Senhora Fátima Chagas acena com o lenço na procissão.
CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Já para Maria de Fátima Costa das Chagas, o novenário e a procissão de Sant’Ana são momentos para pagar uma promessa de 22 anos atrás. “Sofri um acidente e quebrei as pernas, a bacia, e fraturei a coluna. Um muro de 4,5m caiu por cima de mim e eu estava há 2 anos toda engessada e de cama. Pedi a Jesus minha cura com intercessão de Nossa Senhora e Sant’Ana. Assim que comecei a andar acompanhei novenas e procissão e desde então estou aqui todos os anos agradecendo por minha graça alcançada”, revela a devota, que todos os anos acompanha a procissão com um lenço branco.

A procissão de Sant’Ana é um tradição que já dura 24 anos e sempre é possível encontrar diferentes histórias, contadas pelos próprios devotos no percurso. Muitas famílias que já viveram no interior e agora moram na cidade, aproveitam para reviver momentos de devoção junto a passagem da santa no cortejo.

Senhora Francinete Nazário, ao centro, acolhe a passagem de Sant'Ana com suas amigas. CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Senhora Francinete Nazário, ao centro, acolhe a passagem de Sant’Ana com suas amigas.
CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Durante o percurso, muitas famílias aproveitam para demonstrar o carinho por Sant’Ana com faixas em homenagem à padroeira em suas casas. Segundo Francinete Nazário, que fez uma faixa com os dizeres “Viva Sant’Ana”, a avó de Cristo também é sua madrinha. “Naquela época botavam os santos para serem padrinhos das crianças, e minha mãe botou ela para ser minha madrinha. Todos os dias eu peço a benção dela como se fosse uma pessoa mesmo. Também peço proteção para ela me ajudar e ajudar minha família em tudo”, confessa a afilhada.

Na chega à Matriz houve o arriamento da bandeiras e a Benção do Santíssimo Sacramento, conduzida pelo Pe. Darci Lopes, Vigário Paroquial de Sant’Ana. Em seguida uma chuva de papel picado acompanhada da queima de fogos, formaram um show pirotécnico, que marcou a despedida dos festejos no ano de 2016.

Procissão da 24ª Festa de Sant'Ana. CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Procissão da 24ª Festa de Sant’Ana.
CRÉDITO: Iago Cavalcanti

Confira abaixo algumas imagens da Missa Solene: