Domingo de Páscoa e a vitória de Jesus Cristo contra a morte

Dentre todas as datas este domingo, 1º, é a mais importante para os cristãos. Na Páscoa celebramos a vitória de Jesus contra a morte, sua ressurreição e poder perante a humanidade.

A partir de hoje, começa o Tempo Pascal, que é um período de 50 dias que se encerra com o domingo de Pentecostes. Este tempo é vivido com muita alegria e festa, como se fosse um único dia, um único domingo festivo.

O que para muitos é um feriadão, para os cristãos é o ápice do Ano Litúrgico e da nossa vivência na igreja. Celebrar esta data é glorificar ao Senhor pela mudança que Ele proporcionou em nosso mundo. É tempo de festejar pela existência do nosso Salvador.

Apesar do significado deste tempo tão precioso para os cristãos ter se perdido um pouco, é nossa missão resgatá-lo e vivenciá-lo com intensidade. Tentando levar ao máximo o exemplo para os demais.

Os costumes deste período, como os alimentos específicos, a penitência e o jejum, são cruciais para que possamos compreender o verdadeiro sentido da Páscoa. Por isso, precisamos nos fortalecer espiritualmente para que não nos deixemos influenciar e mantenhamos o real sentido da Páscoa vivo dentro de nós.

Foto: Pascom Sant’Ana

Sábado de Aleluia e a espera pela ressurreição do Salvador

O Sábado de Aleluia, também conhecido como Sábado Santo é comemorado hoje, 31. O dia amanheceu mais triste. Na sexta relembramos o sacrifício de Jesus Cristo para salvar a humanidade do pecado. Por isso, mesmo ainda vivenciando o período de reflexão, jejum e penitência, aguardamos durante este dia ansiosos a volta do Senhor.

Ao anoitecer, é celebrada a Vigília Pascal, que tem início com a Liturgia da Luz, um momento onde todas as luzes da igreja são apagadas e os fiéis se reúnem. Uma pequena fogueira é abençoada e representa, com o fogo, a ressurreição.

Neste momento é preparado o Círio Pascal, uma vela onde o celebrante do momento marca uma cruz e as letras Alfa e Ômega, que representam, ali, Jesus como a luz do mundo. O Círio permanece na igreja e é utilizado durante todo o Tempo Pascal.

Assim tem início o rito do Lucernário, onde o celebrante leva o Círio até o altar enquanto os fiéis, segurando velas, as acendem com o fogo aceso na vela principal e cantam o “Exulted”, que é uma música utilizada para celebrar este momento desde os primórdios da Igreja Católica.

A partir daí se dá início o rito do Sábado de Aleluia. São, no total, sete leituras e sete salmos. As leituras, que são do Antigo Testamento, resumem a história da salvação. Após as leituras o “Glória” e o “Aleluia” ão cantados para dar graças pela ressurreição de Cristo.

Durante o dia há uma preparação para a chegada de Jesus. Tudo gira em torno das orações e meditações realizadas pelos cristãos, que aguardam a volta de Jesus como prova do seu poder e glória perante à humanidade.

Foto: Pascom Sant’Ana

Sexta-feira da Paixão e a maior prova de amor que a humanidade já conheceu

Vivemos nesta sexta-feira, 30, a celebração da Sexta-feira Santa, também conhecida popularmente como Sexta-feira da Paixão. Para o que muitos é apenas um feriado, para os católicos é uma data triste que lembra a dor pela qual Jesus Cristo teve de passar para nos conceder a salvação.

É um dia onde deve se prevalecer a oração, o jejum e o silêncio, que compoem todo o momento de reflexão vivido pelos cristãos. É um dia onde devemos deixar de lado nossos prazeres mais simples, para, assim, entrarmos em perfeita sintonia com Deus.

É uma oportunidade para exercitarmos nossa conciência e analisarmos nossa caminhada e missão. Tendo em mente o sofrimento pelo qual Jesus passou para nos libertar, podemos dar valor ao que nos foi entre por Ele, dando graças à sua eterna glória.

A imagem que conhecemos de Cristo na cruz, machucado, sofrido e abandonado é a visão que devemos ter do pecado. Quanto mal o pecado pode fazer em nossas vidas? Jesus deu sua vida para tirar todo o pecado que havia no mundo. E mesmo assim, por tantas vezes ignoramos seu sacrifício para pecar por bel prazer.

Nessa data, o egoísmo é colocado de lado para vivermos um momento por amor. O jejum e a penitência é a nossa prova de amor por Deus. É a prova que temos compaixão pela dor que Jesus passou. É uma forma de nos redimirmos, por menor que seja, perante aquele que deu a vida por cada um de nós.

Foto: Pascom Sant’Ana